Skip to content

Sabe a surpreendente origem das empanadas?

outubro 29, 2021

A empanada crioula é um invólucro de massa de milho com um recheio que pode ser de qualquer ingrediente comestível e cujo cozimento é o resultado da fritura em óleo.

Supõe-se que a antiguidade da empanada é tão remota quanto o pão, que a origem está localizada na Mesopotâmia como apoiada pelo livro de receitas mais antigo conhecido datado de 1700 a.C.

Uma das preparações dessa época pode ser vista como um antecedente da empanada, uma vez que consistia em assar duas camadas de massa de trigo entre as quais colocavam um guisado de pássaros.

É provável que os invólucros de massa de pelúcia se espalhem pelo mundo árabe, norte da África, para as costas marroquinas e para o sul da Espanha. Também pode ser atribuída aos hebreus, que seguem um caminho semelhante, levaram essas receitas para a Andaluzia, já que prepararam bolinhos que consumiam nas refeições de rotina (2).

Desde os tempos medievais é possível supor, então, que o consumo de embalagens de massa, recheados com ensopados que dependiam da imaginação do cozinheiro e como parte dos costumes alimentares de árabes e hebreus, teve uma difusão geográfica da Mesopotâmia, traçando uma rota pelo norte da África, para chegar à Espanha.

A cultura gastronômica judaica hispânica e hispânica registra a preparação da empanada como um pequeno bolo frito na região da Andaluzia, pois está claro a partir de alguns livros de receitas do século XIII.

Desde tempos imemoriais considera-se que a Andaluzia tem sido a terra da fritura, por exemplo, na segunda década do século XVI, a empanada frita foi considerada um dos pratos que toda mulher casada teve que aprender a encontrar um marido ou pelo menos para ganhar um sustento honesto (3).

Os conquistadores espanhóis trouxeram empanadas para o Novo Mundo: no México, os espanhóis serviram empanadas no banquete oferecido pelo vice-rei Antonio de Mendoza, com a ajuda de Hernán Cortés, em 1538 (4).

No caso da Venezuela, Colômbia, Panamá, Equador, Chile e Argentina, presume-se que as empanadas foram trazidas por colonizadores espanhóis para as costas orientais desde meados do século XVI e de lá se espalharam pelo império espanhol.

No século XIX, o consumo de empanadas fazia parte da cultura gastronômica do venezuelano. Por exemplo, em Caracas, as empanadas eram uma oferta muito apreciada pelos clientes de um bar movimentado chamado "El gato negro" (5). Também entre os vendedores ambulantes da capital era muito comum encontrar aquele que oferecia arepitas fritas e empanadas (6).

Naquela época, as empanadas margariteñas eram famosas e mais tarde, por volta de 1940, além de comê-las na casa, as famílias colocavam pequenos ventosrrillos nas zaguanes e nas calçadas para vendê-los aos vizinhos e estagiários (7).

Eu te lembro que…

No final deste artigo você terá um monte de conteúdo interessante e esperamos saber sua opinião. Aqui vamos um pouco à sua frente.

Hoje o consumo de empanadas tem se espalhado por todo o território, atingindo sua distribuição para os lugares mais remotos, é um alimento que é uma parte significativa da dieta diária da pessoa latino-americana, uma parte da comunidade europeia e de diferentes áreas do continente asiático.

As empanadas, além de fazerem parte dos preparos culinários no seio da casa, são adquiridas por inúmeros restaurantes em cafés, restaurantes, vinícolas e quiosques, nas praças de vilas e vilas, nas portas das igrejas, nas tarantinas nas praias, em estádios e terminais de ônibus e táxis, nos aeroportos, nas festividades da padroeira, nos bairros adjacentes às grandes cidades, nos shoppingcenters e nas estradas, já que qualquer lugar é bom para montar uma venda de empanadas, sendo a empanada crioula um elemento básico na dieta.

2) Sternberg R. A cozinha sefardita. A riqueza cultural da cozinha saudável dos judeus mediterrâneos. Barcelona-Espanha, Editorial Zendrera Zariquiey, 1998.

3) Suarez M. A empanada crioula na história e na tradição. Ediciones IVIC, 2010 (na imprensa).

4) Diaz del Castillo B. História verdadeira da conquista da Nova [1632] Espanha. México, Editorial Nuevo Mundo, volume II, 1943.

5) Sales Perez F. Alfândega venezuelana. Coleção de artigos, Nova York, Impressão e Livraria de N. Ponce de León, 1877. Veja "O Gato Negro", 1871.

6) Espinoza J A. Regional. Paris, Garnier, 1898. 7 Gómez Á F. A empanada margariteña. Porlamar, Farmácia Farmamigos, 2003.

7) Instituto Nacional de Nutrição (INN). Mesa de Composição de Alimentos para uso prático. Revisão de 1999. Publicação nº 52. Série Blue Notebooks. Caracas, 1999.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Configuración